Sintomas da virose

A virose é um mal que atinge muitas pessoas, principalmente dentro de casa em que, na maioria das vezes, acaba por afetar todos os moradores no mesmo instante. Porém, mesmo tendo se tornado um tipo de doença popular, a população ainda não sabe ao certo o que é e que danos a virose pode causar, por isso fica um pouco mais difícil de se proteger da infestação.
É válido ressaltar que antes de tomar qualquer medida o importante é fazer uma consulta com um médico de sua confiança, pois é ele quem saberá corretamente quais as ações que devem ser seguidas para lutar contra os mal-estares e a virose. Muitas pessoas se auto medicam e acreditam que tudo vai melhorar sem consultar o médico, porém o que acontece, em certos casos, é o aumento das doenças para situações mais graves.

O que é a Virose?

O que é virose?

O corpo humano cria novos anticorpos toda vez que é afetado por uma doença diferente, intensificando o poder de defesa contra aquele tipo de mal. Isso faz com que nós não sejamos atacados por algumas doenças mais de uma vez na vida. Porém, alguns vírus também vivem em constante mudança e quebram as barreiras de defesa humana (como é o caso da gripe).

Isso é o que acontece com a virose, que pode ser vista como qualquer doença causada por um vírus. Alguns deles têm ataques mais fortes durante o inverno, porém a maioria aparece no período do verão, como o Rotavírus, um dos mais conhecidos, que atinge muitas pessoas e se espalha muito rápido.

Atualmente existem vacinas contra algumas dessas doenças para crianças de 2 à 4 meses de idade, pois o ataque dos vírus nesses bebês pode ser muito mais perigoso do que em um adulto.

Tipos de Virose

Principais Viroses

A Virose, como dito anteriormente, é qualquer doença causada por vírus, portanto existem inúmeras doenças que podem se enquadrar como virose. Por isso a grande importância em se consultar com um médico, pois ele saberá avaliar corretamente qual o procedimento correto para a doença que atacou. Veja abaixo algumas das principais viroses:

Tipo Família Transmissão Doenças Tratamento específico Prevenção Diagnóstico confirmatório
Adenovirus Adenoviridae
  • Secreções no ar
  • Fecal-oral (água e alimentos infectados)
  • Sexual
  • Contato com olhos
  • Infecções respiratórias
  • Gastroenterite
  • Cistite
  • Queratoconjuntivite
  • Meningoencefalite
  • Ribavirina
  • Cidofovir
  • Vacina
  • Lavar mãos
  • Cobrir a boca ao tossir/espirrar
  • Evitar contato com doentes
  • Neutralização
  • Hemaglutinação
  • ELISA
Alfavirus[5] Togaviridae
  • Mosquitos Aedes
Em humanos e equinos causa:

  • Encefalite equina do oeste
  • Encefalite equina do leste
  • Encefalite equina venezuelana
  • Exantema e artrite
Nenhum
  • Vacinar equinos
  • ELISA
  • PCR
Arenavirus Arenaviridae
  • Inalar poeira com fezes de roedores selvagens
  • Febre hemorrágica viral
  • Febre de Lassa
  • Coriomeningite linfocítica
  • Ribavirina
  • Imunoglobulinas específicas de pacientes recuperados
  • Vacina
  • Controle dos roedores
  • Usar máscara antes de limpar poeira
  • ELISA
  • Cultivo celular
  • PCR
Astrovirus Astroviridae
  • Fecal-oral (água e alimentos infectados)
  • Contato direto
  • Gastroenterite em crianças, idosos e imunocomprometidos
Nenhum
  • Vacina
  • Lavar mãos
  • Cobrir a boca ao tossir/espirrar
  • Evitar contato físico com doentes
  • ELISA
  • Imunofluorescência
  • PCR
BK virus[6] Polyomaviridae Provavelmente por:

  • Secreções
  • Urina
  • Vertical
  • Síndrome febril leve
  • Nefropatias pós-transplante renal
  • Cistite hemorrágica pós-Transplante de medula óssea
Citarabina e reduzir imunossupressão
  • Desconhecido, é comum mesmo em países desenvolvidos e comunidades isoladas
  • Biópsia de rim
  • RIA
  • ELISA
  • PCR de urina
Coronavirus[7] Coronaviridae
  • Secreções no ar
  • Contato físico com infectados
  • Resfriado com constipação
  • Síndrome respiratória aguda severa (SRAS)
  • Síndrome respiratória por coronavírus do Oriente Médio (SROM)
Nenhum
  • Lavar mãos
  • Cobrir boca ao tossir/espirrar
  • Cultura celular
  • ELISA indireto
  • Hemaglutinação
  • PCR
Coxsackievirus Picornaviridae
  • Fecal-oral (água e alimentos infectados)
  • Secreções no ar
  • Contato com lesões
  • Exantema com febre alta
  • Herpangina
  • Pleurodinia
  • Meningite asséptica
  • Conjuntivite
  • Miocardite
  • Pericardite
  • Encefalite
Nenhum
  • Lavar mãos
  • Cobrir boca ao tossir/espirrar
  • Não tocar lesões
  • Lavar bem e cozinhar alimentos
  • Tratamento de água e esgoto
  • Cultura de células
  • ELISA
Chikungunya virus Togaviridae
  • Mosquito (Aedes) infectado
  • Chikungunya
Nenhum
  • Controle dos mosquitos
  • Repelentes e telas contra insetos
  • ELISA indireto
  • RT-PCR
Dengue virus Flaviviridae
  • Mosquito (Aedes) infectado
  • Dengue comum
  • Dengue hemorrágica
Nenhum
  • Controle dos mosquitos
  • Repelentes e telas contra insetos
  • ELISA indireto
Ebola virus Filoviridae
  • Secreções
  • Sangue
  • Contato ou consumo de porcos, morcegos, símios ou antílopes[8]
  • Ébola
Imunoglobulinas
  • Vacina
  • Evitar contato com infectados
  • ELISA
  • PCR
  • Cultivo celular
Echovirus Picornaviridae
  • Fecal-Oral (água ou comida contaminada)
  • Saliva
  • Contato físico
  • Objetos infectados (fômites)
  • Exantema com febre
  • Pleurodinia
  • Meningite asséptica
  • Miocardite neonatal
  • Encefalite
Pleconaril e imunoglobulina IV (em teste)
  • Lavar as mãos
  • Cobrir a boca ao tossir/espirrar
  • Evitar contato físico com infectados
  • PCR
  • ELISA
Flavivirus Flaviviridae
  • Mosquitos Culex ou carrapatos (depende da espécie)
  • Transplacentária
  • Leite materno
  • Encefalite japonesa
  • Encefalite de São Luís
  • Encefalite do Nilo ocidental
  • Encefalite do carrapato
  • Outras encefalites virais (de Murray, de Powassan…)
Nenhum
  • Controle dos mosquitos
  • Repelentes e telas contra insetos
  • Vacina (apenas para encefalite japonesa e do carrapato)
  • ELISA indireto
  • PCR
  • Cultura celular
Hantavirus Bunyaviridae
  • Fecal-Oral (água ou alimentos contaminados)
  • Mordida de roedores
  • Contato com doentes (apenas subtipo Andes virus)
  • Síndrome cardiopulmonar por hantavírus
  • Febre hemorrágica com síndrome renal
Nenhum
  • Controle de roedores
  • Armazenar alimentos adequadamente
  • Tratamento de água e esgoto
  • Evitar contato com infectados
  • ELISA
  • Imuno-histoquímica
Herpes simplex virus tipo 1 Herpesviridae
  • Contato direto
  • Saliva
  • Herpes tipo 1
  • Gengivite em crianças,
  • Amigdalite e faringite em adultos
  • Queratite
  • Aciclovir
  • Fanciclovir
  • Foscarnet
  • Penciclovir
  • Evitar tocar infectados
  • Camisinha
  • Imunofluorescência
  • Imuno-histoquímica
  • PCR
Herpes simplex virus tipo 2 Herpesviridae
  • Sexual
  • Parto
  • Herpes tipo 2
  • Meningite asséptica
  • Aciclovir
  • Fanciclovir
  • Foscarnet
  • Penciclovir
  • Cidofovir
  • Evitar tocar infectados
  • Camisinha
  • Cultivo celular
  • Imunofluorescência
  • Imuno-histoquímica
  • PCR
Herpesvirus tipo 3 ou Vírus do herpes-zoster Herpesviridae
  • Toque
  • Secreções
  • Catapora/Varicela
  • Herpes zoster
  • Aciclovir
  • Fanciclovir
  • Vacina
  • Imunoglobulinas
  • Cultura celular
  • ELISA
Herpesvirus tipo 4 ou

Epstein-Barr virus

Herpesviridae
  • Saliva
  • Mononucleose
  • Linfoma de Hodgkin
  • Linfoma de Burkitt
  • Carcinoma em faringe
Nenhum
  • Evitar contato com infectados
  • Imunofluorescência
  • ELISA
  • PCR
Herpesvirus tipo 5 ou

Citomegalovirus

Herpesviridae
  • Secreções
  • Vertical
  • Mononucleose
  • Pneumonia viral
  • Linfomas de células T
  • Ganciclovir
  • Cidofovir
  • Foscarnet
  • Lavar mãos
  • Não compartilhar talheres ou copos
  • Usar camisinha
PCR
Herpesvirus tipo 6 e 7

ou Roseola virus

Herpesviridae
  • Secreções
  • Tocar lesões
  • Roséola
  • Pneumonia em imunodeprimidos
  • Ganciclovir
  • Lavar mãos
  • Não compartilhar talheres ou copos
ELISA
Herpesvirus tipo 8 Herpesviridae
  • Secreções
  • Sexual
  • Sarcoma de Kaposi em AIDS
  • Doença de Castleman
  • Linfoma efusivo
Apenas experimentais
  • Evitar contato com lesões
  • Camisinha
  • PCR
  • ELISA
HIV ou vírus da imunodeficiência humana Retroviridae
  • Sexual
  • Sangue
  • Parto natural
  • Leite materno
  • AIDS
Antirretrovirais
  • Antirretrovirais
  • Camisinha e lubrificantes
  • Cesariana
  • Não compartilhar objetos cortantes/perfurantes
  • ELISA
  • Western blot
  • PCR
Influenza virus Orthomyxoviridae
  • Secreções
  • Gripes
  • H1N1
  • Síndrome de Reye

(se tratados com aspirina)

  • Amantadina
  • Rimantadina
  • Zanamivir
  • Oseltamivir
  • Vacina
  • Higiene pessoal
  • Cobrir a boca ao tossir/espirrar
  • Evitar contato com infectados
  • Hemaglutinação
  • ELISA
JC virus Polyomaviridae
  • Fecal-oral (água ou alimentos contaminados)
  • Urina[9]
  • Leucoencefalopatia multifocal progressiva em imunodeprimidos
  • Estenose uretral após transplante renal
Nenhum
  • Desconhecida, é comum mesmo em países desenvolvidos
  • Microscopia de biópsia
  • ELISA indireto
  • Radio Imunoensaio
  • PCR de LCR ou urina
Molluscum contagiosum virus ou vírus do molusco contagioso Poxviridae
  • Contato físico direto ou objetos infectados
  • Molusco contagioso (erupções cutâneas)
  • Cimetidina
  • Diversas pomadas
  • Crioterapia
  • Curetagem
  • Cirurgia com laser
  • Lavar as mãos
  • Cobrir as erupções cutâneas
  • Não compartilhar roupas e toalhas
  • Evitar contato físico com infectados
  • PCR
  • ELISA
Norovírus ou Norwalk virus Caliciviridae
  • Fecal-Oral (água ou comida contaminada)
  • Contato físico
  • Gastroenterite
Nenhum
  • Lavar as mãos
  • Cobrir a boca ao tossir/espirrar
  • Evitar contato físico com infectados
  • PCR
  • ELISA
Papilomavírus humano Papillomaviridae
  • Toque
  • Sexual
  • Parto
  • Verruga genital
  • Condiloma Acuminado
  • Câncer de colo do útero
  • Câncer de pênis
  • Outros cânceres
  • Nitrogênio líquido
  • Vaporização com laser
  • Citotóxicos
  • Interferon
  • Cidofovir
  • Vacina
  • Evitar tocar lesões
  • Camisinha
  • Inspeção visual
  • ELISA
  • PCR
Parvovirus ou Eritrovírus B19 Parvoviridae
  • Fecal-oral (água ou alimentos contaminados)
  • Eritema infeccioso
Nenhum
  • Lavar as mãos
  • Imunofluorescência
  • ELISA indireto
  • PCR
Rabies virus, Vírus da raiva Rhabdoviridae
  • Mordida de mamíferos (cachorros, gatos, morcegos, macacos…)
  • Raiva
  • Meningite asséptica
Profilaxia pós-infecção
  • Vacinar animais
  • Proteger-se contra animais selvagens
  • Limpar feridas com antisséptico
  • Imunofluorescência
  • Microscopia
  • PCR
Rinovírus[10] Picornaviridae
  • Secreções no ar
  • Contato direto
  • Rinite e sinusite
  • Resfriado comum
  • Otite media
  • Bronquiolite
  • Complicações em asma e EPOC
  • Pleconaril
  • Zinco
  • Lavar as mãos
  • Cobrir a boca ao tossir/espirrar
  • Evitar contato físico com infectados
  • PCR
  • Cultura celular
Rotavírus Reoviridae
  • Fecal-oral (água ou alimentos contaminados)
  • Diarreia em lactantes e bebês
Nenhum
  • Vacina
  • Tratamento de água e esgoto
  • Higiene pessoal
ELISA de amostra fecal
Parainfluenza virus Paramyxoviridae
  • Secreções
  • Croup
  • Pneumonia
  • Bronquiolite
  • Resfriado
Nenhum
  • Higiene pessoal
  • Cobrir boca ao espirrar/tossir
ELISA
Poliovírus Picornaviridae
  • Fecal-oral
  • Poliomielite
Nenhum
  • Vacina
  • Lavar alimentos
  • Tratamento de água/esgoto
ELISA
Vírus da caxumba Paramyxoviridae
  • Secreções
  • Caxumba/Papeira/Parotidite
  • Meningite asséptica
Nenhum
  • Vacina
  • Evitar contato com infectados
  • ELISA
  • Neutralização
  • Hemaglutinação
Vírus da hepatite A Picornaviridae
  • Fecal-oral
  • Hepatite viral
Imunoglobulina (profilaxia pós-contato)
  • Vacina
  • Lavar bem alimentos
  • Tratamento de água e esgoto
*ELISA

  • PCR
Vírus da hepatite B Hepadnaviridae
  • Secreções
  • Sexual
  • Sangue
  • Hepatite viral
  • Cirrose
  • Câncer de fígado
  • Imunoglobulinas
  • Adefovir
  • Entecavir
  • interferon alfa-2
  • Lamivudina
  • Vacina
  • Imunoglobulinas (profilaxia perinatal ou pós-infecção)
  • Não compartilhar objetos cortantes/perfurantes
  • Camisinha
  • Radioimunoensaio
  • ELISA
  • PCR
  • Western blot
Vírus da hepatite C Flaviviridae
  • Sangue
  • Sexual
  • Hepatite viral
  • Cirrose hepática
  • Câncer de fígado
  • Interferon alfa-2
  • Ribavirina
  • Não compartilhar objetos cortantes/perfurantes
  • Camisinha
  • ELISA
  • PCR
Vírus da hepatite D Viroide
  • Sexual
  • Sangue
  • Parto natural
  • Hepatite viral
  • Cirrose
  • Interferon alfa-2
  • Tratar a hepatite B
  • Prevenir a hepatite B
  • Não compartilhar objetos cortantes/perfurantes
  • Camisinha
  • ELISA indireto
  • PCR
Vírus da hepatite E Caliciviridae
  • Fecal-Oral
  • Hepatite viral
Em grávidas:

  • Interferon alfa
  • Ribavirina
  • Lavar bem alimentos
  • Cozinhar alimentos
  • Tratamento de água e esgoto
  • ELISA
  • PCR
Vírus linfotrópico da célula humana (HTLV) Retroviridae
  • Sangue
  • Sexual
  • Leite materno
  • Vertical
  • 2% desenvolvem Linfoma de células T
  • 2% desenvolvem Paraparesia Espástica Tropical

(Mielopatia associada ao HTLV-1)

  • Fosfomicina
  • Ciclosporina A
  • Pentoxifilina
  • Camisinha
  • Substituto do leite materno
  • Não compartilhar objetos cortantes/perfurantes
  • ELISA
  • Western blot
Vírus da rubéola Togaviridae
  • Secreções
  • Rubéola
Nenhum
  • Vacina
  • Evitar contato com infectados
  • ELISA
Vírus do sarampo Paramyxoviridae
  • Secreções
  • Sarampo
  • Encefalite ou meningite
Nenhum
  • Vacina
  • Evitar tocar infectados
  • ELISA
  • RIA
  • Hemaglutinação
Vírus sincicial respiratório Paramyxoviridae
  • Secreções
  • Toque
  • Bronquiolite
  • Pneumonia
  • Broncopneumonia
Ribavirina
  • Higiene pessoal
  • Evitar contato com infectados
  • Palivizumab
  • Cobrir a boca ao espirrar/tossir
  • ELISA
  • PCR

Os sintomas da Virose

os Sintomas da Virose

Cada doença possui sintomas específicos que ajudam a entender qual o vírus que pode ter infectado o organismo. Porém, alguns dos sintomas são comuns e todas as doenças e servem de alerta para que saibamos sobre a infecção, auxiliando a tomar medidas rápidas. São elas:

  • Febre
  • Diarreia
  • Vômito
  • Falta de apetite
  • Dores nas articulações
  • Dores de cabeça
  • Dores na coluna
  • Tontura e fraqueza

Como tratar a virose?

tratamento da Virose

Antes de qualquer ação, é muito importante consultar o médico, pois é ele quem vai falar corretamente quais os procedimentos corretos a serem tomados. Porém, há tratamentos que podem auxiliar no alívio dos sintomas, visando um maior conforto até que seja possível se deslocar ao hospital.

  • As principais recomendações são:
  • Repouso
  • Ingestão de líquido saudável (principalmente água)
  • Se alimentar bem (deve ser saudável, cheia de legumes e saladas que fortificam a defesa do corpo)
  • Beber soro caseiro (misture uma colher de sopa de açúcar e uma colher de chá de sal em 1 litro de água fervida)

Prevenção da Virose

Prevenção da Virose

Como é possível observar na tabela, há diversas maneiras para se prevenir das muitas doenças que podem infectar o nosso corpo. Porém, é válido afirmar que existem algumas ações essenciais a serem tomadas com o intuito de não acabar doente. Veja abaixo o que você pode fazer para evitar que alguma virose deixe você de cama:

  • Lavar bem as mãos antes das refeições
  • Nunca tocar no nariz e na boca com as mãos sujas
  • Lavar bem os alimentos antes de comer
  • Carregar álcool em gel consigo
  • Espirrar e tossir com um pano na boca

Seguindo esses conselhos, você terá mais chances de não ser atingido por algum vírus. Porém, se sentir mal-estar, corra para um médico, para que a situação seja controlada com antecedência, evitando que o problema se intensifique. Para mais informações sobre saúde, continue acompanhando o nosso blog.

Como consumir carboidratos sem engordar

Muitas pessoas estão seguindo dietas que cortam totalmente os carboidratos do cardápio por serem muito engordativos, mas a verdade é que essas dietas podem ser perigosas. O consumo controlado de carboidratos é essencial para uma vida saudável.

Tipos certos de carboidratos

É possível comer carboidratos e mesmo assim não engordar, basta entender como funciona o seu consumo e quais são os tipos ideias de carboidratos que você pode ingerir. Podemos dividi-los em dois grupos, sendo eles simples ou complexos. Confira a definição de cada um:

Carboidratos simples: Os carboidratos simples são metabolizados pelo organismo muito mais rápido do que os complexos, sendo uma fonte de energia quase que imediata. Dentro desse grupo está o arroz branco, pão, balas, refrigerantes, biscoito e entre outros. Por serem absorvidos rapidamente, aumentam a taxa de glicose no sangue e causam fome logo após a refeição, por isso não é recomendado consumir carboidratos simples em excesso.

Carboidratos complexos: Os carboidratos complexos são o tipo ideal de carboidrato que deve ser consumido. A absorção pelo organismo é muito mais lenta que os simples, o que causa a sensação de saciedade e evita lanches rápidos após a refeição. Além de evitar refeições fora de hora, os nutrientes presentes nesses alimentos são absorvidos em uma quantidade muito maior do que os carboidratos simples. Pelo processo de digestão ser lento, a energia fornecida dura por muito mais tempo e limita a quantidade de açúcares que é convertido em gordura, ajudando no emagrecimento se o consumo for acompanhado de atividades físicas. Neste grupo encontramos arroz, pão e massas integrais.

Agora que você sabe a diferença entre carboidratos simples e complexos, pode começar a seguir uma dieta mais saudável e que invés de engordar, irá lhe auxiliar no emagrecimento de forma saudável.

Como seguir uma dieta com carboidratos complexos?

carboidratos complexos

É possível seguir uma dieta com carboidratos e mesmo assim emagrecer de forma saudável, basta saber quais alimentos você pode incluir no seu cardápio:

É possível seguir uma dieta com carboidratos e mesmo assim emagrecer de forma saudável, basta saber quais alimentos você pode incluir no seu cardápio:

  • Pão integral;
  • Aveia;
  • Frutas com casca;
  • Barras de cereais;
  • Massa integral;
  • Arroz integral;
  • Batata doce;
  • Grãos em geral;
  • Feijão, lentilha e grão de bico;
  • Verduras;
  • Amaranto, centeio, linhaça

Esses são alguns dos alimentos que fornecem energia e podem ser incluídos no seu dia-a-dia. É importante saber também quais os alimentos que devem ser evitados nas refeições:

  • Massas
  • Arroz branco
  • Doces
  • Alimentos processados
  • Açúcar de mesa
  • Refrigerante
  • Pipoca
  • Pão branco
  • Farinha branca
  • Chocolate
  • Bolos
  • Cereais matinais

Claro, você não precisa cortar totalmente esses alimentos da sua dieta, mas se quiser emagrecer de forma saudável, o ideal é que você evita os presentes nesta lista ao máximo. Ingerindo muitos carboidratos simples você corre o risco de desenvolver doenças como diabetes devido ao ciclo vicioso que causa no corpo.

O carboidrato simples é ingerido, ocorre um pico de energia e açúcar, o corpo libera insulina, o açúcar em excesso é armazenado, o nível de açúcar no sangue fica baixo e você sente fome de novo. Esse processo acompanhado da falta de exercícios físicos pode resultar em uma perda de sensibilidade do corpo com a insulina, correndo o risco de desenvolver a diabetes, uma doença grave, mas que pode facilmente ser prevenida.

Os perigos de cortar os carboidratos

Perigos do corte de carboidrato

Cortas os carboidratos da dieta pode desencadear uma série de problemas, conheça os riscos que você está correndo ao eliminar o seu consumo.

Falta de energia: Os carboidratos fornecem energia para o corpo, se você os cortar da sua dieta sentirá desanimo, cansaço excessivo, dores de cabeça e tonturas. Isso ocorre, pois, o organismo necessita de energia para realizar os processos básicos, como manter o cérebro funcionando corretamente. Se você diminuir ou cortar o consumo de alimentos que dão energia, seu corpo irá diminuir a metabolização, economizando calorias e não as queimando.

Problemas no rim e fígado: Normalmente, as dietas que envolvem o corte de carboidratos o substituem por proteína, essa troca pode sobrecarregar os rins e o fígado, deixando seu corpo sujeito ao desenvolvimento de cálculos renais. A sobrecarga de proteínas também faz com que circule no sangue corpos cetônicos, ureia e nitrogênio, deixando o mais ácido. O corpo para combater a acidez resgata cálcio dos ossos, podendo levar a doenças como osteoporose.

Os músculos sofrem: A dieta sem carboidratos leva o corpo a buscar energia de outro lugar. O glicogênio presente nos músculos é utilizado, o que causa a perda de massa magra e preserva a gordura, perdendo força e desacelerando o metabolismo. Isso até pode ocasionar o emagrecimento, mas de forma ruim e nada saudável, já que a composição corporal será a maior parte de gordura.

Colesterol: O consumo excessivo de carnes e laticínios que é ocasionado nas dietas que substituem o carboidrato pode levar ao aumento do colesterol e consequentemente a problemas relacionados a ingestão de muita gordura, como problemas cardiovasculares.

Alimentação saudável e exercícios

boa alimentação e exercícios

Como você pode perceber, os ricos de cortar os carboidratos ou ingeri-los de forma errada pode resultar em diversos problemas, o ideal é seguir uma dieta saudável e equilibrada acompanhada de uma rotina com atividades físicas.

Como melhorar a circulação do sangue

É necessário cuidar de cada parte do nosso corpo, inclusive da circulação sanguínea. Problemas derivados de uma má circulação podem afetar o seu dia-a-dia e reduzir a sua qualidade de vida. Confira algumas dicas de como melhorar a circulação do sangue.

O que é má circulação?

A má circulação sanguínea está diretamente relacionada com a dificuldade do sangue em passar pelas veias e artérias, o que resulta no inchaço de algumas partes do corpo, como as mãos e os pés. As causas podem ser várias, ficar muito tempo de pé, cruzar ar pernas ou até mesmo questões hereditárias.

Muitas pessoas sofrem deste problema e nem imaginam, veja uma lista com alguns dos sintomas e descubra se você possui problemas de circulação sanguínea:

  • Dor nas pernas e mãos
  • Mãos e pernas mais frias que o normal
  • Formigamento
  • Pele seca
  • Varizes
  • Cansaço
  • Sensação de peso

A falta de atividades físicas e uma alimentação ruim podem agravar o problema e desencadear sintomas mais sérios, o ideal é seguir uma dieta balanceada e exercitar-se diariamente. O principal meio de combater a má circulação é por meio de alimentos saudáveis que afetam diretamente o funcionamento da movimentação do sangue no corpo.

Por que é importante combater a má circulação?

combater má circulaçao

A maioria das pessoas da pouca importância para os problemas relacionados a circulação do sangue devido ao fato de que no primeiro momento, as consequências são apenas um leve incômodo. No entanto, se não for tratada por meio de exercícios e uma alimentação balanceada, irá resultar em problemas mais graves.

O fluxo sanguíneo é afetado pelo coração, ou seja, este órgão deve estar em total funcionamento para garantir a circulação do sangue para as demais partes do nosso corpo. Os principais alimentos que agem para combater a má circulação trazem benefícios para o coração. Além de combater os problemas de circulação, você estará melhorando o seu organismo.

Ingerir pouco colesterol, pouca gordura e bastante antioxidantes é o ideal para garantir um fluxo sanguíneo eficiente. O sangue é responsável pelo transporte de diversas substâncias dentro do corpo humano, sendo elas nutrientes, oxigênio, minerais e vitaminas. Não cuidar desse processo irá gerar problemas futuros e causará incômodo.

Alimentos que ajudam a melhorar a circulação

alimentos para má circulação

Existem alimentos específicos que se adicionados à sua alimentação ajudam a combater a má circulação sanguínea e suas consequências:

  • Vitamina C: A vitamina C auxilia no processo de diluição do sangue e evita que a circulação fique fraca. Uma ótima dica é consumir diariamente uma cera quantidade de laranjas, entre ou após as refeições.
  • Alho e cebola: O alho e a cebola ajudam a reduzir a formação de trombos e coágulos, que resultam na obstrução dos vasos sanguíneos e prejudicam o fluxo de sangue no corpo. Estes ingredientes podem ser utilizados em quase todas as refeições e trazem inúmeros benefícios para o corpo e para a circulação.
  • Melancia: As melancias possuem em sua composição o Licopeno, um antioxidante que ajuda a melhorar a circulação do sangue. O tomate também possui esta substância, ela dá esse aspecto avermelhado aos alimentos.
  • Chocolate amargo: O chocolate amargo possui flavonoides naturais, estas substâncias auxiliam no processo do fluxo sanguíneo. Consumir diariamente uma pequena quantia de chocolate amargo traz vários benefícios para o corpo humano
  • Ômega 3: O ômega traz age diretamente no coração, consequentemente melhora o fluxo sanguíneo. Esta substância está principalmente presente em peixes. O ideal é consumir pelo menos uma vez por semana alimentos que contenham ômega 3 para surtir efeito no sistema cardiovascular.

Exercícios para melhorar a circulação

exercício para má circulação

Apesar de uma alimentação saudável ser extremamente importante para combater os problemas relacionados a má circulação, é necessário também realizar atividades físicas. Existem alguns exercícios básicos que você pode fazer diariamente para evitar os problemas de fluxo sanguíneo:

Movimente as pernas e os pés: Caminhe um pouco pela casa, faça a circulação do sangue fluir. Movimento os dedos dos pés como se estivesse abrindo e fechando. Levante o calcanhar e pise novamente no chão, quanto maior for a movimentação dos dedos do pé e da panturrilha melhor para o fluxo sanguíneo. Realizando esses simples exercícios que estimulam o corpo, você estará evitando as indesejadas varizes e marcas.

Movimentos os braços e as mãos: Alongue seus braços, mãos e dedos com frequência. Estes movimentos farão com o que o seu corpo exija um maior desempenho da circulação sanguínea e combaterão os sintomas como formigamento, mãos geladas e inchaço. Um simples abrir e apertar de mão já faz uma grande diferença.

Estes são alguns exercícios simples que você pode seguir, mas claro, o ideal é praticar exercícios físicos com bastante frequência e fugir do sedentarismo, uma das maiores causas da má circulação sanguínea.

Cuide do seu corpo

cuidados com o corpo

Não só para um bom funcionamento do fluxo sanguíneo, ter uma boa alimentação e praticar regularmente atividades físicas traz inúmeros benefícios para o seu corpo e mente. Siga estas dicas e combata a má circulação. Se você gostou deste artigo, confira nosso post sobre como combater um dos grandes problemas gerados pela falta de cuidado com a circulação sanguínea.

Alimentos ricos em fibras

Uma dieta rica em fibras traz inúmeros benefícios para a saúde, agindo diretamente no intestino e melhorando o seu funcionamento. Não só para o intestino, as fibras auxiliam no controle de peso e ajudam a prevenir doenças relacionadas ao coração, confira:

Alimentos que contém fibras

Por que uma dieta rica em fibras é importante?

O bom funcionamento do intestino é essencial para a saúde e também para o bem-estar. O corpo humano não possui enzimas capaz de digerir as fibras, sendo assim é ideal para as pessoas que possuem problemas com constipação. Quando ingerias em grandes quantidades, causam sensação de saciedade e evitam o consumo exagerado de alimentas nas refeições.

O valor indicado diário indicado para o consumo de fibras é de 25g a 35g, alinhando com bastante líquido, de preferência água, auxilia na formação do bolo fecal e previne problemas no intestino como prisão de ventre, enfermidades no cólon, colesterol alto, hipoglicemia e outras.

As fibras, que apesar de não serem digeridas como os carboidratos e proteínas, também são consideradas nutrientes. As principais fontes de fibras estão na composição de alimentos como: Feijão, leguminosas, cascas de frutas, cereais e poupa de frutas. Elas são divididas em dois grupos, sendo eles solúvel e insolúvel.

Qual a diferença entre fibras solúveis e insolúveis?

Alimentos ricos em fibras

As fibras estão em dois grupos, as solúveis e as insolúveis, é necessário compreender essas definições para entender melhor o funcionamento destes nutrientes e como eles agem no organismo do corpo humano.

Fibras solúveis: As fibras solúveis se diluem na água e formam um gel, incrementando a viscosidade dos alimentos e causando a sensação de saciedade, o que ajuda na perda de peso por reduzir e evitar exagerar nos alimentos durante as refeições. A mistura das fibras no estômago impede a absorção de glicose e lipídios. Além de auxiliar no controle do colesterol e prevenir doenças no cólon, uma dieta rica em fibras é essencial para quem sofre de diabetes, já que o ‘’gel’’ formado pelas fibras e água impede a absorção da glicose, evita que essas substâncias cheguem totalmente ao sangue, combatendo os picos de glicose alta nos diabéticos. Confira uma lista com quais alimentos são ricos em fibras solúveis:

  • Grãos
  • Frutas
  • Vegetais
  • Grãos leguminosos
  • Sementes de linho

Fibras insolúveis: As fibras insolúveis, diferente das solúveis, não formam um gel ao entrar em contato com a água, elas simplesmente não interagem e passam pelo trato gastrointestinal de forma intacta. Seu principal benefício é o aumento do bolo fecal e diminuem a fermentação no cólon distal. Esse tipo de fibra aumenta a absorção de água e torna o processo do trânsito intestinal muito mais rápido, auxiliando pessoas que possuem problemas de constipação e prevenindo a prisão de ventre. Outro benefício é que as fibras insolúveis retêm substâncias tóxicas de maneira natural, garantindo o bom funcionamento do trato intestinal. Veja uma lista com os principais alimentos ricos em fibras não solúveis.

  • Farelo de trigo
  • Pão integral
  • Cascas de frutas
  • Cereais
  • Feijão
  • Milho
  • Abóbora

Benefício de uma dieta de fibras contra problemas de saúde

Fibras Solúveis e Insolúveis

Uma dieta rica em fibras não auxilia apenas o bom funcionamento do intestino, mas age também contra diversas doenças.

Prisão de ventre: Pessoas que vão ao banheiro menos de três vezes por semanas podem se considerar com problemas de constipação. As causas são diversas, mas todo tratamento possui um fator em comum, uma dieta rica em fibras, acompanhada de exercícios físicos para combater o sedentarismo. Fibras insolúveis junto de bastante água resulta em um intestino saudável e melhora o bolo fecal.

Colesterol alto: Ingerir alimentos que possuem fibras solúveis ajuda a controlar as moléculas de gordura presentes no intestino, auxiliando no controle do colesterol ruim por meio da absorção do mesmo. Já as fibras insolúveis, através da sensação de saciedade, diminuem o consumo de alimentos com gordura de origem animal

Hipoglicemia: Alimentos como pão e macarrão são ricos em carboidratos, estes carboidratos são convertidos por enzimas em glicose, devido a esse processo o organismo do corpo humano produz insulina para nivelar a glicose no sangue, quando a glicose é absorvida rapidamente e a produção de insulina aumenta, é causada a hipoglicemia. Já os alimentos que possuem carboidratos ricos em fibras causam uma absorção da glicose de maneira mais lenta e gradativa, evitando a hipoglicemia, que causa tonturas, enjoo e vomito.

Obesidade: Quanto mais rápida a absorção de açucares pelo corpo, maior a fome. Mesmo que você tenha feito uma refeição extremamente completa, se o corpo absorver os açucares rápido demais, a fome continuará em seguida. Pessoas que fazem lanches doces após a refeição tendem a continuar com fome e consumir muitas calorias. A dieta rica em fibras, auxiliando no processo de absorção da glicose de forma mais lenta, evita a fome e consequentemente a obesidade.

Mude seu cardápio

cardápio rico em fibras

Uma dieta rica em fibras traz inúmero benefício para o seu corpo, combatendo doenças e deixando a sua alimentação mais saudável, mude agora o seu cardápio e veja a diferença. Se você achou este artigo útil, confira o nosso post sobre como ter uma alimentação intuitiva além do corpo.

Sushi faz bem à saúde?

A culinária japonesa vem fazendo muito sucesso entre os brasileiros, mas e quanto aos benefícios que comer sushi traz ao organismo humano? A ingestão desse alimento e suas diversas variações fazem bem? Confira nesse post.

O Sushi e o corpo humano

Comer sushi realmente faz bem? A resposta é sim, esse alimento carrega uma série de nutrientes que são absorvidos pelo corpo humano e agem no nosso organismo de maneira fantástica. Existem diversas opções no cardápio da culinária japonesa e cada uma delas tem algo diferente a oferecer.

São diversos os benefícios que comer sushi traz, e dependendo da opção que você escolher, agirá em uma parte específica do seu organismo. Isso ocorre devido à grande variedade de alimentos que fazem parte da sua composição. Vindo de uma cultura extremamente rica e antiga, estima-se que o sushi vem sendo consumindo há cerca de 700 anos atrás

Muito popular entre os brasileiros, existem inúmeros restaurantes espalhados pelo Brasil. Muitas pessoas são adeptas da culinária japonesa e nem imaginam a quantidade de benefícios que a ingestão desse alimento um tanto exótico pode trazer. Veja quais são os modelos de sushis e saiba como os seus nutrientes agem no corpo humano.

Sushi e seus benefícios

Com seu alto valor nutricional, o sushi é um prato (já que é composto por vários elementos) que age diretamente em várias áreas do corpo e auxilia na regulação de diversas partes do ser humano e seu organismo, ajudando até a prevenir doenças, confira:

Circulação sanguínea: O ferro é um nutriente que auxilia no processo da circulação sanguínea, melhorando a produção de glóbulos vermelhos. Esse estimulo causado na produção de glóbulos vermelhos melhora a cor da pele, o crescimento do cabelo e age no metabolismo, além de melhorar os processos de cicatrização dos tecidos do corpo.

Combate ao câncer: O sushi possui nutrientes que auxiliam no combate desta terrível doença. O wasabi, muito consumido com o sushi, possui diversas propriedades que são anticancerígenas devido aos antioxidantes presentes em sua composição. Os antioxidantes ajudam a evitar que células saudáveis se tornem células cancerígenas.

Digestão: O sushi é muito consumido junto do famoso chá verde, que ajuda a acelerar o metabolismo e contribui para uma digestão tranquila e saudável. Quase todos os restaurantes japoneses oferecem o chá verde como uma opção para acompanhar o prato.

Hormônios: A maioria dos pratos de sushi possuem uma grande quantidade de iodo, elemento que contribui para o sistema endócrino do nosso corpo. O iodo age diretamente na glândula da tireoide e se consumido na medida certa, ajuda a manter os hormônios do corpo regulados e auxiliando nos processos metabólicos do ser-humano.

Coração: A grande quantidade de ômega 3 presente em quase todas as opções de sushi auxilia no controle do colesterol do corpo. Nivelando o colesterol é possível prevenir que artérias fiquem obstruídas, isso impede diversas doenças que podem acontecer devido à presença do colesterol ruim no corpo. Eliminando assim, riscos grandes de ocorrer um infarto ou um acidente vascular cerebral (AVC).

Metabolismo: O sushi conta com altos níveis de proteína, a proteína presente no peixe que compõe o sushi é bastante saudável e de muita qualidade para o corpo humano. A ingestão do peixe auxilia nos processos metabólicos e melhora o funcionamento do organismo.

Imunidade: Imunidade alta é o principal combatente de possíveis doenças. O sushi e o wasabi contam com componentes antibacterianos e antivirais, auxiliando assim na prevenção de doenças relacionadas a baixa imunidade.

Não exagere

Apesar do sushi ser uma fonte de inúmeros benefícios, nada que consumido em excesso faz bem. O molho shoyu, um dos principais acompanhantes dos pratos de sushi, possui uma grande quantidade de sódio. O ideal é não utilizar demasiadamente o shoyu normal e optar por versões light.

O cream cheese e a maionese, os dois preferidos do brasileiro quando se fala em sushi, também não devem ser utilizados em exagero, eles possuem alto teor de gordura saturada e podem resultar em alguns quilos a mais se consumido em excesso. É recomendado também evitar os sushis que envolvem fritura e optar pelos mais saudáveis.

O sushi é uma ótima opção de comida saudável, mas se consumido de maneira exagerada, acaba se tornando muito calórico e equiparando-se até os alimentos servidos em restaurantes fast-food. É necessário também tomar cuidado com os restaurantes escolhidos, alguns realizam o processo de fazer o sushi com elementos mais calóricos que outros.

Muitas vezes o arroz é muito processado e acaba perdendo seus nutrientes, assim como outros elementos presentes no sushi. O ideal é frequentar restaurantes que servem o alimento bem fresco, assim você terá a garantia de que está usufruindo de todos os benefícios presentes no sushi.

Aproveite o sushi

O sushi é uma opção deliciosa e saudável de refeição, se consumido de maneira correta e sem exageros, acaba se tornando não só um grande aliado ao paladar, mas também ao organismo do corpo humano.