Como prevenir as rugas?

Prevenção de rugas

Grande parte das mulheres possui uma grande preocupação na passagem dos anos: o aparecimento de rugas. Esse é um dos grandes motivos de se existirem tantas clínicas que trabalham intensamente para realizar o tratamento disso e promover um melhoramento estético na pele das mulheres.

Fato é que poucas pessoas conhecem métodos eficazes de prevenção do aparecimento das temidas rugas. Além de realizar essa ação, essas simples dicas aumentam a saúde do corpo e entregam uma vida mais saudável e tranquila. Mas, antes de saber quais são esses tratamentos, precisamos entender um pouco sobre o que e como são formadas essas rugas.

O que é uma ruga?

o-que-e-uma-ruga

As rugas são linhas faciais de expressão que aparecem pelo nosso corpo, principalmente no rosto. Essas linhas são causadas pelo constante movimento dos nossos músculos ao longo dos anos, que dobram a pele de forma forte. O corpo acaba por se acostumar com essa musculatura e vai criando camadas maiores de pele que formam as temidas linhas faciais, que começam a manchar a pele devido a ações dos raios solares, tornando-se definitivas e podendo oferecer diferenças grandes na pele, como a própria pigmentação.

As rugas começam a aparecer conforme as marcas do envelhecimento parecem. Junto das rugas, o processo todo pode trazer outras alterações para a pele, como as alterações na cor da pele na face que deixam manchas, algumas mais claras (chamadas leucodermias), outras mais escuras (denominadas melanosese). Existem também aquelas marcas marrons com uma textura mais rugosa (queratoses), que se tratam de tumores pequenos e benignos.

Como são formadas as rugas?

como-sao-formadas-rugas

Ao envelhecer, nós perdemos muitos elementos do tecido que são responsáveis pela elasticidade da pele. Esse fator se une ao aumento da utilização dos músculos faciais, que vão esticando certos pontos do rosto e eles não conseguem voltar à forma anterior, criando linhas e vasos que ficam com colorações e texturas diferentes do restante da pele devido à camada que fica por cima. Por esse motivo, as rugas podem ser criadas pelos movimentos naturais do cotidiano, como as expressões, e por fatores externos, como a exposição ao sol e poluição exagerada das cidades grandes.

Outros fatores que podem auxiliar no desenvolvimento das rugas é o estilo de vida da pessoa, que pode ser repleta de estresse, pouca hidratação, muita exposição aos raios solares e a alimentação inadequada, o que pode levar não só a perda de nutrientes da pele como a deterioração da saúde como um todo.

Segundo os especialistas em dermatologia, as rugas passam por dois estágios: rugas dinâmicas e rugas estáticas.

  • Rugas dinâmicas: são conhecidas como linhas de expressão. Esse tipo tende a aparecer mais cedo, porém só podem ser vistas quando há a movimentação nos músculos faciais, não aparecendo quando o rosto está em seu estado normal, chamado de “repouso”.
  • Rugas estáticas: é o avanço do primeiro tipo, onde a pele se sobrepõe as linhas de expressão e cria uma certa profundidade, as mostrando até mesmo no repouso do rosto e modificando o tipo da pele devido à pouca exposição ao sol, por exemplo, ficando com pigmentação diferente e textura mais lisa.

Dicas para a prevenção

dicas-prevencao-rugas

  • Hidrate sua pele

É essencial manter sempre a pele hidratada para evitar a perda de nutrientes importantes que vêm da água. Por isso, é recomendável beber bastante água durante o dia-a-dia além de utilizar hidratantes nas mãos e rostos, pois eles também servem como uma proteção contra toxinas presentes no ar que podem interferir na boa saúde do tecido.

Alguns médicos recomendam a ingestão de dois litros d’água por dia, enquanto outros falam que você deve tomar o equivalente a 10% do seu peso (se você pesar 70 kg, por exemplo, precisaria tomar 7 litros). Porém, é importante estar atento com as respostas do seu corpo, não tome mais água do que aguenta, pois isso também pode trazer danos à saúde.

  • Inclua vitamina C no cardápio

Você pode comer frutas que possuam vitamina C no seu cotidiano, uma por dia já é o suficiente. Esses alimentos possuem antioxidantes que impedem que toxinas ruins presentes no ar realizem ações ruins dentro do tecido da pele. Além disso, a vitamina C auxilia na saúde do organismo, sendo um grande ativo contra alguns tipos de vírus e aumentando a imunidade do corpo.

Algumas frutas e legumes que possuem Vitamina C são: laranja, morango, batata, brócolis, ervilha, manga, mamão. Outro antioxidante muito forte para lutar contra as rugas é o betacarboneto e o liposeno, encontrados em abóbora, agrião, cenoura, couve, espinafre, manga, tomate, goiaba, melancia e uva rosada. Os benefícios da alimentação com essas frutas e legumes são muitos, tanto fisicamente como metabolicamente.

  • Proteja sua pele do sol

Utilize filtros solares no seu cotidiano para impedir que os raios solares ajam negativamente na pele. Outra recomendação é a não exposição demorada no sol, pois mesmo com a proteção, os raios podem ser letais se atingirem o corpo durante muito tempo. Os efeitos do sol são cumulativos, o que abre a possibilidade de aparecerem muito tempo após a ação (alguns deles demoram cerca de dez anos para aparecer, se tornando cada vez mais graves com o tempo).

  • Remova a maquiagem

Nunca durma com a maquiagem atrelada ao corpo, pois ela impede que os poros respirem à noite e acaba realizando uma ação ruim no momento de descanso do corpo. Utilize demaquilantes com água para deixar a pele pronta para um boa noite de sono. Além disso, o descanso da pele é excepcional para que se tenha uma noite mais tranquila e realize um bom relaxamento corporal. Noites mal dormidas estão diretamente ligadas ao estresse do dia-a-dia, fatores determinantes para um envelhecimento mais rápido do corpo.

  • Visite o dermatologista

Realize consultas rotineiras ao dermatologista para verificar se a sua pele está saudável e bem cuidada. O recomendável é realizar consultas pelo menos uma vez por ano, para se certificar de que está tudo bem.

 

Espero que essas dicas tenham ajudado você a realizar a prevenção correta contra as rugas, além de auxiliar você a ter uma vida mais saudável e tranquila. Para mais conteúdo como esse, visite nosso blog.

 

Alimentação intuitiva: além do corpo

Alimentação intuitiva: além do corpo

O ato de comer vai além de saciar a fome ou ingerir alimentos, pois a alimentação engloba relações sociais – como um jantar em família -, prazer, satisfação e nutrição. Mas também envolve restrições, dietas e uma busca pela saúde nutricional. Tentando dar mais leveza a naturalidade à alimentação, duas nutricionistas americanas, Evelyn Tribole e Elyse Resch, apresentam uma nova forma de equilibrar corpo e mente, trazendo mais benefícios e muito mais saúde à mesa: o comer intuitivo.

alimentacao-intuitiva

O foco principal é desapegar das dietas restritivas que punem o corpo com a falta de algumas vitaminas e nutrientes, além de serem mentalmente desgastantes. Comer, na alimentação intuitiva, deve ser um processo natural, simples e satisfatório, dando atenção às vontades e desejos, mas também focando em alimentos mais naturais. Isso significa que a relação emocional com a comida é levada em consideração, afinal os prazeres relacionados aos doces, por exemplo, são sinais importantes para compor um equilíbrio mental e biológico.

Reestabelecer a relação com a comida parte de uma busca pelo bem-estar e respeito ao corpo, onde cada pessoa é capaz de reconhecer sinais de fome e saciedade, bem como a escolha dos alimentos, retomando a intuição de nutrição e minimizando os impactos na saúde orgânica e mental que as dietas podem causar.

Alimentação intuitiva engorda?

A alimentação intuitiva parte do princípio do reconhecimento de necessidades, desejos e saciedade. Ao longo da vida, cada pessoa desenvolve e aprimora o paladar, tendo preferências por determinados alimentos e sabores. Além do gosto, os alimentos também desempenham biologicamente estímulo do bem-estar, por exemplo castanhas, frutas e chocolate.

alimentacao-intuitiva-engorda

Alimentos ricos em gordura, como fastfoods, também oferecem picos de satisfação ao corpo. Apesar de serem considerados sempre os vilões das dietas, alimentos calóricos e ricos em açúcar devem ser consumidos sem culpa quando o corpo tem vontade.

Isso quer dizer que o cuidado com a saúde e o peso estão eliminados da alimentação intuitiva? Não, apenas é necessário compreender as vontades e saciedade do organismo. Assim, você inclui os alimentos que deseja comer, de modo equilibrado e natural, reduzindo compulsões, refeições exageradas e prejudicando o processo alimentar.

Antes de iniciar um cardápio planejado no que você quer comer, é importante reestabelecer os critérios de alimentação. A compulsão alimentar se torna comum devido, sobretudo, às restrições severas que as dietas impõem. Isso faz com que a percepção da mente seja afetada quanto aos desejos, ou seja, invés de escolher conscientemente comer uma sobremesa, você acaba aproveitando aquela semana sem dieta para comer doces em todas as refeições.

Como a alimentação intuitiva pode ser saudável?

Fugindo da ideia de dieta, a alimentação intuitiva visa reestabelecer a relação saudável e amistosa com os alimentos. Seja naquele jantar de fim de semana, nos almoços diários ou quando você sente vontade comer um alimento diferente, como uma massa ou doce especial.

como-a-alimentacao-intuitiva-pode-ser-saudavel

Os princípios partem de compreender o corpo e aliar necessidades e bem-estar. Ou seja, o corpo tem níveis de compensação calórica e nutricional, então a fome e a vontade de comer determinados alimentos podem estar relacionadas à carência de vitaminas ou nutrientes. Também, ao fazer refeições mais pesadas, o corpo dá sinais de saciedade e equilibra naturalmente a refeição.

Assim como o objetivo principal é a busca pelo bem-estar, outros fatores como a inserção de alimentos menos industrializados, com menos químicos e a prática de atividades físicas favorecem hábitos saudáveis e trazem benefícios ao corpo e mente, aliviando estresse, liberando serotonina e endorfina e melhorando as funções do organismo.

Analise a relação do seu corpo com a comida

Na hora de fazer as refeições, é importante pensar na relação daquele momento com a comida. O seu corpo quer aquele alimento e se sentirá bem ou é um desejo compensatório para o estresse, por exemplo.

seu-corpo-com-a-comida

O grande mal das dietas e restrições alimentares é sobrecarregar o emocional devido à privação de prazeres à mesa. Então o corpo e a mente começam a atribuir relações de prazer com alimentos proibidos nas dietas, fazendo parecer que a ingestão dele será muito mais prazerosa do que, de fato, será. Além disso, quase sempre a satisfação e bem-estar não acompanha o alimento, já que junto dele há uma relação de culpa.

Ao se reconciliar com o seu prato, sentindo prazer ao comer, nutrindo adequadamente seu corpo e equilibrando a mente, você adquire uma rotina mais saudável e uma percepção mais ampla de seu corpo. É possível aliar prazer, saúde e até mesmo emagrecimento através da intuição alimentar, eliminando dietas e adquirindo novas percepções de nutrição e bem-estar.

 

Intolerância ou alergia: saiba identificar

A alimentação é fator essencial para o bom funcionamento do organismo. Com o devido suprimento nutricional, através de vitaminas, fibras e minerais, o corpo adquire, processa e mantém suas atividades celulares e cognitivas. Sendo o nosso corpo uma rede complexa e interligada de células e transmissores, a má alimentação ou deficiência de alguma vitamina resulta em alterações orgânicas e nutricionais que prejudicam a saúde biológica e também mental.

A falta de nutrientes e vitaminas pode acarretar em cansaço, dores, mal-estar e desencadear doenças, como é o caso da anemia e insuficiências vitaminares. Mas, ainda que a alimentação seja bastante equilibrada, buscando integrar os elementos essenciais ao organismo, muitas vezes há outros fatores que podem ocasionar doenças ligadas aos alimentos, que prejudicam o funcionamento e as repostas do corpo, provocando inflamações e reações alérgicas, por exemplo.

Basicamente, as alergias são reações do sistema imunológico ao alimento ou a alguma proteína presente nele. Já a intolerância é uma reação química do organismo, onde não há a capacidade de digerir algum componente da alimentação, causando respostas imunológicas do organismo àquela substância.

 

Alergia alimentar

As alergias podem se manifestar sob vários alimentos e desencadear sintomas diversos, entre eles desordens na pele, no sistema gastrointestinal e respiratório, que podem levar à anafilaxia.

As alergias alimentares geralmente apresentam reações imediatas do corpo ao contato com o alimento ou alergênico. Ao haver interação com o organismo, o alimento desencadeia uma exagerada reação e pode ter variações de tempo para se estabilizar novamente, necessitando que, a partir da identificação do alimento causador da alergia, ele seja eliminado da alimentação.

Geralmente, as alergias alimentares se apresentam na infância e, com o desenvolvimento do organismo durante o crescimento, podem desaparecer. Com a capacidade de criar imunidade aos agentes durante a infância, é possível que sejam feitos testes e exames com intervalos de meses para averiguar a persistência da alergia.

intolerancia-alimentar

Num organismo saudável, o sistema imunológico consegue fazer a distinção desses três tipos de agentes e processá-los da melhor forma. Por exemplo, quebrando moléculas da alimentação, processando e enviando os nutrientes às devidas células, ou organizando a produção de anticorpos para combater bactérias, vírus ou demais corpos que invadiram o organismo.

A intolerância se caracteriza quando o organismo não possui enzimas necessárias para digerir os alimentos ou determinados componentes dele, com efeitos mais lentos e a longo prazo. Nesse sentido, as intolerâncias podem ser consideradas acumulação ou envenenamento do organismo pelo alimento, gerando respostas e reações autoimunes. Em geral, as intolerâncias causam danos gastrointestinais, prejudicando a absorção de nutrientes, a regulação do fluxo intestinal, anemias, além de uma série de fatores que estão relacionados, como enxaquecas, cansaço, depressão, reações cutâneas, entre outras.

As intolerâncias não possuem medicação e devem ser tratadas com a eliminação do agente alimentar para que o organismo volte a estabelecer o bom funcionamento. Em alguns casos, onde o diagnóstico é tardio ou as dietas não são seguidas, os danos causados ao organismo podem ser permanentes.

Lactose e glúten: famosos por emagrecerem, mas vilões dos intolerantes.

Ainda que a intolerância à lactose e ao glúten, hoje, estejam em maior evidencia, sobretudo graças às dietas para emagrecimento e reeducação alimentar, ainda é bastante difícil estabelecer o diagnóstico da intolerância devido à falta de conhecimento.

intolerancias-lactose-e-gluten

Diferente da alergia à proteína do leite, a intolerância é causada pela incapacidade de o organismo digerir a lactose pela falta da enzima Lactase. Já a doença celíaca ou intolerância ao glúten, que é um pouco menos conhecida, e as classificações quanto às proteínas do glúten podem ser Doença celíaca, que é uma intolerância permanente à absorção de proteínas como trigo, aveia, centeio ou cevada, gerando uma resposta autoimune, onde o organismo ataca as próprias células. Ou alergia à proteína do glúten, também chamada de alergia-não-celíaca, que é uma incapacidade no processo de quebra e digestão molecular, causando sintomas adversos ao organismo e prejudicando o sistema gastrointestinal, mas sem apresentar alterações nos exames laboratoriais.

 

Como Identificar

As intolerâncias possuem exames específicos e o diagnóstico é feito na alteração das taxas e níveis dos testes histológicos e imunológicos, que podem ser de fezes, de urina, de sangue e biópsia intestinal. O diagnóstico deve acompanhar a série de exames para que sejam identificados níveis e graus de intolerância. Já as alergias podem ser diagnosticadas através de exames cutâneos, de sangue e através da dieta de exclusão de alimentos suspeitos.

 

Como Tratar

No caso de diagnosticada a alergia, ou intolerância ao alimento, ou proteína, o tratamento segue partindo da exclusão e substituição dele no cardápio. Hoje, há variedade alimentar para atender aos alérgicos, intolerantes e celíacos, proporcionando uma alimentação adequada sem afetar o organismo.

Os sintomas como desconforto abdominal, má digestão, dores de cabeça, intolerâncias, erupções cutâneas, taquicardia e dificuldade de respiração tendem a diminuir com a adaptação do cardápio. Já a perda das vilosidades intestinais causada pelo consumo de glúten nos casos celíaco e intolerante, tendem a demorar mais tempo para serem totalmente cicatrizados, retornando à absorção completa e efetiva de nutrientes.

 

Dicas para uma alimentação saudável mais fácil

O trabalho, a faculdade, as tarefas em casa e a rotina cansativa acabam impactando na alimentação, na qualidade dos alimentos escolhidos e no funcionamento do nosso organismo. Priorizar uma alimentação saudável e natural é a melhor maneira de manter o corpo em equilíbrio, mas as ofertas de alimentos industrializados e de preparo rápido em nosso dia a dia são bastante tentadoras.

Há quem ache difícil manter uma rotina alimentar adequada, mas algumas mudanças no cardápio trazem efeitos a curto e longo prazo ao seu organismo, como equilíbrio de taxas de nutrientes, melhor controle de índices de gordura corporal, melhor rendimento físico e mental, além de muito mais qualidade de vida e bem-estar.

Escolher comidas naturais e saudáveis pode ser mais simples do que você pensa. Pequenas mudanças, trocas no supermercado e um pouco de esforço para fazer uma reeducação alimentar são a chave para trazer mais saúde ao seu prato e ao seu corpo.

Reeducação alimentar não é dieta

Dietas geralmente apresentam um cardápio restritivo e difícil de seguir, mesmo em curtos períodos. O grande problema das dietas é que elas visam um resultado a curto tempo e, no geral, não beneficiam o organismo, podendo até causar deficiência nutricional, ansiedade e problemas no funcionamento do organismo. Fazer uma reeducação alimentar não precisa estar associado à vontade de perder peso, mas sim à necessidade de conquistar uma qualidade de vida melhor.

Mesmo não sendo o objetivo principal, também há como emagrecer com reeducação alimentar. A grande vantagem é que a mudança dos hábitos gera resultados prolongados e um emagrecimento saudável. Geralmente, os quilos perdidos em dietas restritivas são facilmente recuperados, pois a dieta termina e a ingestão de calorias e carboidratos volta a ser desregrada.

Trocas funcionais

A rotina nem sempre permite que se consiga realizar uma refeição completa, funcional e prática. Esse é o maior motivo para que lanches sejam tão consumidos: rápidos, práticos e fáceis de encontrar. Para quem come na rua, boas alternativas são optar por lanches integrais e assados, também evitar redes de fast food que oferecem comidas com muito mais conservantes, corantes e gorduras

dicas-para-alimentacao-saudavel

A demanda por alimentação menos industrializada e mais natural tem feito surgirem vários comércios como padarias, lojas especializadas e restaurantes que oferecem alimentos orgânicos, com menos gordura, sem glúten ou lactose.

Incluir alimentos funcionais em seu cardápio é uma forma de incrementar o valor nutricional. Você pode, por exemplo, consumir uma porção de castanhas ou frutas secas entre as refeições, pois além de serem fáceis de comprar e carregar no dia a dia, são ótimas fontes de vitaminas e nutrientes. Além de quebrar o jejum prolongado, pequenos lanches ativam o metabolismo e dão mais saciedade.

 

Estabeleça horários para suas refeições

Mesmo que sejam horários alternativos, procure educar seu organismo para receber alimentos. Quando você educa seu corpo e cria um hábito alimentar, é bem mais fácil voltar à rotina após um fim de semana ou período que você fugiu da alimentação habitual.

 

Saladas, frutas e orgânicos

Aumentar o consumo de cereais, frutas, verduras e vegetais é um dos pontos essenciais de uma boa alimentação. Inclui-los no cardápio é importante para o equilíbrio do corpo, pois são fontes de nutrientes e vitaminas com baixos índices glicêmicos.

A dificuldade de consumir esses alimentos pode ser solucionada com complementação. Por exemplo, trocar a sobremesa por uma fruta, adicionar aveia ou quinoa ao iogurte, ou optar por sucos naturais. Mas o cuidado com esses alimentos deve ir além da inclusão deles no cardápio, sendo cada vez mais clara a necessidade de priorizar alimentos orgânicos.

Os produtos químicos, como pesticidas e agrotóxicos, são usados para resultar em plantações livres de pestes e alimentos com melhor aparência. Os alimentos não orgânicos são consumidos com resíduos desses produtos químicos e causam problemas de saúde, como reações alérgicas, alterações hormonais e até câncer. Além disso, os alimentos orgânicos são mais nutritivos, pois a plantação possui um processo de adubamento natural.

Comer não precisa ser ruim

Uma alimentação saudável não é ruim, sem sabor, muito menos algo difícil de se seguir. A boa prática alimentar é um complemento para a qualidade de vida, que deve englobar seus objetivos, necessidades orgânicas e anatômicas, além de bem-estar mental e emocional.

dicas-de-como-ter-uma-alimentacao-saudavel

A alimentação saudável vem, sobretudo, de escolhas mais naturais, alimentos menos industrializados, redução de sal e gordura no preparo dos alimentos, alimentos orgânicos entre outras opções que podem ser adotadas com facilidade na sua rotina.

A prática de atividades físicas regulares ainda ajuda no bom funcionamento do organismo, auxilia na redução de gordura corporal, controla taxas de glicêmicas, triglicerídeos e pressão arterial. Os praticantes de exercícios físicos também possuem imunidade mais elevada, além de condicionamento físico e disposição bem maiores. A prática favorece o emagrecimento, definição e tonificação muscular.

Experimente juntar uma alimentação saudável com atividade física regular. Você vai ver que seu ritmo vai ficar muito melhor!

 

4 Passos para ter uma pele bonita e hidratada durante o inverno

Com a chegada do frio, o abuso dos banhos quentes, a diminuição no consumo de líquidos e as temperaturas baixas propiciam a desidratação da pele e do organismo. Ainda que haja menos perda de líquidos pelo nosso corpo, devido à diminuição da transpiração nas temporadas mais frias, ainda há necessidade de ingestão de líquidos para manter o corpo hidratado.

Beber, ao menos, 2 litros de água por dia auxilia no bom funcionamento do organismo como um todo. Além dos órgãos e sistemas internos, a hidratação adequada favorece também a melhora na aparência da pele, evitando descamações e rachaduras que são bastante comuns nessas épocas mais geladas.  Continue lendo