Intolerância ou alergia: saiba identificar

A alimentação é fator essencial para o bom funcionamento do organismo. Com o devido suprimento nutricional, através de vitaminas, fibras e minerais, o corpo adquire, processa e mantém suas atividades celulares e cognitivas. Sendo o nosso corpo uma rede complexa e interligada de células e transmissores, a má alimentação ou deficiência de alguma vitamina resulta em alterações orgânicas e nutricionais que prejudicam a saúde biológica e também mental.

A falta de nutrientes e vitaminas pode acarretar em cansaço, dores, mal-estar e desencadear doenças, como é o caso da anemia e insuficiências vitaminares. Mas, ainda que a alimentação seja bastante equilibrada, buscando integrar os elementos essenciais ao organismo, muitas vezes há outros fatores que podem ocasionar doenças ligadas aos alimentos, que prejudicam o funcionamento e as repostas do corpo, provocando inflamações e reações alérgicas, por exemplo.

Basicamente, as alergias são reações do sistema imunológico ao alimento ou a alguma proteína presente nele. Já a intolerância é uma reação química do organismo, onde não há a capacidade de digerir algum componente da alimentação, causando respostas imunológicas do organismo àquela substância.

 

Alergia alimentar

As alergias podem se manifestar sob vários alimentos e desencadear sintomas diversos, entre eles desordens na pele, no sistema gastrointestinal e respiratório, que podem levar à anafilaxia.

As alergias alimentares geralmente apresentam reações imediatas do corpo ao contato com o alimento ou alergênico. Ao haver interação com o organismo, o alimento desencadeia uma exagerada reação e pode ter variações de tempo para se estabilizar novamente, necessitando que, a partir da identificação do alimento causador da alergia, ele seja eliminado da alimentação.

Geralmente, as alergias alimentares se apresentam na infância e, com o desenvolvimento do organismo durante o crescimento, podem desaparecer. Com a capacidade de criar imunidade aos agentes durante a infância, é possível que sejam feitos testes e exames com intervalos de meses para averiguar a persistência da alergia.

intolerancia-alimentar

Num organismo saudável, o sistema imunológico consegue fazer a distinção desses três tipos de agentes e processá-los da melhor forma. Por exemplo, quebrando moléculas da alimentação, processando e enviando os nutrientes às devidas células, ou organizando a produção de anticorpos para combater bactérias, vírus ou demais corpos que invadiram o organismo.

A intolerância se caracteriza quando o organismo não possui enzimas necessárias para digerir os alimentos ou determinados componentes dele, com efeitos mais lentos e a longo prazo. Nesse sentido, as intolerâncias podem ser consideradas acumulação ou envenenamento do organismo pelo alimento, gerando respostas e reações autoimunes. Em geral, as intolerâncias causam danos gastrointestinais, prejudicando a absorção de nutrientes, a regulação do fluxo intestinal, anemias, além de uma série de fatores que estão relacionados, como enxaquecas, cansaço, depressão, reações cutâneas, entre outras.

As intolerâncias não possuem medicação e devem ser tratadas com a eliminação do agente alimentar para que o organismo volte a estabelecer o bom funcionamento. Em alguns casos, onde o diagnóstico é tardio ou as dietas não são seguidas, os danos causados ao organismo podem ser permanentes.

Lactose e glúten: famosos por emagrecerem, mas vilões dos intolerantes.

Ainda que a intolerância à lactose e ao glúten, hoje, estejam em maior evidencia, sobretudo graças às dietas para emagrecimento e reeducação alimentar, ainda é bastante difícil estabelecer o diagnóstico da intolerância devido à falta de conhecimento.

intolerancias-lactose-e-gluten

Diferente da alergia à proteína do leite, a intolerância é causada pela incapacidade de o organismo digerir a lactose pela falta da enzima Lactase. Já a doença celíaca ou intolerância ao glúten, que é um pouco menos conhecida, e as classificações quanto às proteínas do glúten podem ser Doença celíaca, que é uma intolerância permanente à absorção de proteínas como trigo, aveia, centeio ou cevada, gerando uma resposta autoimune, onde o organismo ataca as próprias células. Ou alergia à proteína do glúten, também chamada de alergia-não-celíaca, que é uma incapacidade no processo de quebra e digestão molecular, causando sintomas adversos ao organismo e prejudicando o sistema gastrointestinal, mas sem apresentar alterações nos exames laboratoriais.

 

Como Identificar

As intolerâncias possuem exames específicos e o diagnóstico é feito na alteração das taxas e níveis dos testes histológicos e imunológicos, que podem ser de fezes, de urina, de sangue e biópsia intestinal. O diagnóstico deve acompanhar a série de exames para que sejam identificados níveis e graus de intolerância. Já as alergias podem ser diagnosticadas através de exames cutâneos, de sangue e através da dieta de exclusão de alimentos suspeitos.

 

Como Tratar

No caso de diagnosticada a alergia, ou intolerância ao alimento, ou proteína, o tratamento segue partindo da exclusão e substituição dele no cardápio. Hoje, há variedade alimentar para atender aos alérgicos, intolerantes e celíacos, proporcionando uma alimentação adequada sem afetar o organismo.

Os sintomas como desconforto abdominal, má digestão, dores de cabeça, intolerâncias, erupções cutâneas, taquicardia e dificuldade de respiração tendem a diminuir com a adaptação do cardápio. Já a perda das vilosidades intestinais causada pelo consumo de glúten nos casos celíaco e intolerante, tendem a demorar mais tempo para serem totalmente cicatrizados, retornando à absorção completa e efetiva de nutrientes.